Zenaide Maia entrega Prêmio Bertha Lutz, in memoriam, à Wilma de Faria
23/03/2022
Zenaide comemora aprovação de seu PL que exclui tese de ‘legítima defesa da honra’ em casos de violência doméstica e feminicídio
06/04/2022
Exibir tudo

Projeto de Zenaide contra crimes ambientais avança no Senado

CMA aprovou o PL 1.304/19, que pune a negligência na prevenção de danos e aumenta penas e multas por crimes contra o meio ambiente. Texto foi apresentado após a tragédia em Brumadinho (MG).

A Comissão de Meio Ambiente aprovou nesta quarta-feira (30) o PL 1.304/2019, da senadora Zenaide Maia (Pros-RN), que aumenta as penas e as multas para crimes ambientais; além de prever punição ao diretor, administrador, membro de conselho/órgão técnico, auditor, gerente, preposto ou mandatário da
empresa que deixar de adotar medidas preventivas de dano ambiental grave ou irreversível. De acordo com a autora, a proposta foi apresentada após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG), tragédia que matou 272 pessoas e que completou três anos no último 25 de janeiro. “De lá para cá, a
devastação só aumenta e é preciso reagir não só à impunidade de mineradoras que cometem crimes, mas também ao garimpos em terras indígenas, ao desmatamento da Amazônia, ao abuso de agrotóxicos e tantos outras ações nocivas ao meio ambiente e à vida!”, disse Zenaide, via Twitter, após a
aprovação do projeto na CMA.


O PL 1.304/19 permite que as multas hoje previstas na legislação ambiental sejam substancialmente aumentadas por decisão judicial, conforme a gravidade dos prejuízos causados. Além disso, o texto endurece as penas para crimes ambientais que resultem em danos à saúde humana, mortandade de
animais e destruição da flora. As penas de detenção para o crime de poluição, por exemplo, passam dos atuais 6 meses a 1 ano para 2 a 5 anos. Se o crime inviabilizar a ocupação humana, o consumo da água, o uso de praias ou provocar a retirada de pessoas da área afetada, as penas de reclusão passam de 1 a 5
para 3 a 8 anos. O relator, Confúcio Moura (MDB – RO), acrescentou aumento da detenção (2 a 5 anos) para quem produzir, comercializar, fornecer, transportar, armazenar ou usar produto ou substância tóxica, perigosa ou nociva.


O texto segue para votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), em decisão terminativa; ou seja, se o projeto for aprovado lá, ele vai direto para a Câmara dos Deputados, sem necessidade de passar por nova votação no plenário do Senado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.